Sobre Kabbalah, Yôga e Terapia

Na sexta-feira passada escrevi sobre “como ser feliz sozinha”, um post para tentar ajudar as pessoas que sofrem do mal de acharem que precisam estar com alguém para encontrar a felicidade. A verdade é que mesmo quando estamos com alguém, devemos estar atentos às nossas reais vontades e desejos, cuidando para não “nos perdermos” e começarmos a viver (somente) a vida do outro. O momento “só” é necessário, pois como ouvimos muito falar “é impossível amar alguém se você não se ama em primeiro lugar”.

Pausa. Releia a frase acima e faça uma auto avaliação. Você se ama em primeiro lugar? Por favor, não imagine aqui a figura narcisista porque, como disse hoje meu terapeuta, se tem uma pessoa incapaz de amar alguém é o narciso, já que ninguém chega aos seus pés, claro. Também não quero que imagine uma pessoa mimada e egoísta, que só quer ser satisfeita a todo custo, do tipo que bate o pé e faz bico quando é contrariada.

A questão sobre a qual te convido a refletir foi a mesma que me fiz no começo do ano passado. Ela me fez tomar algumas atitudes a fim de mudar antigos hábitos. Hoje sinto que sou uma pessoa um pouquinho mais consciente dos meus próprios desejos, vontades, atitudes… O que eu quero dizer é que só aprendi a “compartilhar” (aqui podemos substituir por “amar verdadeiramente”) quando decidi me dedicar ao auto conhecimento.

Antes de mais nada, a busca pela luz, nada mais é que a busca pela felicidade permanente, estar com o espírito em paz, segura, confiante e, assim poder ser o seu melhor.

Tudo começou com a terapia com psicóloga Daphne Jones. Confesso que tinha um pé atrás com a ideia de contar minha vida a uma pessoa estranha, com medo de ser tendenciosa só para ouvir o que eu queria. Péssimo isso, mas nós nos sabotamos sem perceber. Como alguém que nem sabe se eu estou falando a verdade (afinal, estou contando a minha versão dos fatos, com certeza há várias facetas nas histórias) poderia me aconselhar? Bobinha… Quando me dei conta, conversar com um profissional foi um santo remédio para tentar mandar embora a tristeza de viver pensando (seja lamentando ou suspirando) o passado e a ansiedade de viver planejando o futuro. Afinal, a vida é agora! “Você só tem o presente, minha filha. Por isso, faça o melhor que puder com ele”. E assim tem sido! Outra coisa: neurolinguística. Já prestou atenção no que você fala? Quantos “não consigo”, “é difícil”, “nunca dá certo” você solta sem pensar? Aqui entram duas coisas: o papel de vítima (Oh, vida… Oh, céus!) e de projetar coisas negativas para o Universo. Já ouviu que “Você é/atrai o que você pensa” (alô, Buda e “O Segredo”!) Substitua palavras negativas por outras menos pesadas e mais motivadoras. Você vai ver como faz diferença!

Aí, um belo dia, durante minha aula de Ballet, conheci a Gisele Correa – professora de yôga e colaboradora do Achados. Pensei: “Faz tanto tempo que eu tenho vontade de praticar, acho que meditar pode me ajudar com a ansiedade…” Isso foi em Maio do ano passado e, desde então tem se tornado uma das minhas paixões. Eu não sei muito bem explicar o bem-estar que a prática me proporciona, mas me sinto muito bem acho que não só pelos benefícios físicos, como pelo estado de “paz” pós-prática. É realmente uma atividade “completa”, muito revigorante. Conseguir controlar a respiração, pensamentos, manter-se no momento presente, prestando atenção ao seu corpo, suas emoções, seus batimentos cardíacos é um desafio e, aos poucos você começa a conseguir ter um maior auto-controle físico e também das emoções.

Finalmente, uma das melhores descobertas que eu podia ter no começo deste ano foi a Kabbalah (que significa “receber”, no caso a LUZ). Há uns 3 anos li “O Poder da Cabala” e fiquei com vontade de aprender mais sobre o assunto, mas acabei deixando passar. Hoje penso por que não comecei antes, de tanto que gosto. A convite de uma amiga, participei da palestra introdutória no Kabbalah Centre, aqui em São Paulo e fiquei encantada – já queria começar o módulo I no mesmo dia. O curso teve início há 1 mês e estou na 5a das 10 aulas. Gente, é muito legal! É tão especial, foram tantos os “chacoalhões” que recebi e conto os dias para chegar terça-feira e aprender mais um pouco sobre o assunto. Tem gente que acha que é uma religião, mas não é. Sou católica e tem budistas, judeus… Trata-se de espiritualidade. Não se fazer de vítima e se responsabilizar por tudo o que acontece na sua vida, aplicar a fórmula da pró-atividade, compreender quais são seus tikuns (lições as quais você deve enfrentar/superar/lidar na vida), o mundo do 1% e dos 99%… Super indico e convido todos vocês para conhecerem. <3

Não sei se deu para entender muito bem o que eu quis passar com o post. Na verdade eu quis compartilhar com vocês algumas das coisas que trouxe para a minha vida e que me fizeram muito bem. Na minha opinião, se conhecer, buscar ser uma pessoa melhor, conseguir lidar com seus questões internas deveria ser algo que todos buscassem. Não tem como ser algo ruim, só vai te fazer crescer. Espero que tenham gostado! Vários são os caminhos possíveis e, por isso, gostaria de ouvir nos comentários, dicas de quem também tem buscado a sua “luz”.

Ah! Algumas dicas de leitura para quem se interessar sobre os assuntos. Li todos (menos o Tratado, que é gigaaante! Rs):

– Para de se sabotar e dê a volta por cima – Flip Flippen
– Deixe de ser bonzinho e seja verdadeiro – Thomas d’Ansembourg
– Flua – Louis Burlamaqui
– Insegurança no Amor – Leslie Becker-Phelps
– Tratado de Yôga – Mestre DeRose
– O Poder da Cabala – Yehuda Berg

Um beijo e bom fim de semana,
Bia

10 comentários COMENTE TAMBÉM

Oi Bia, qual seria o curso que vc esta fazendo de kabbalah? Fiquei muito interessada e vi que estão disponíveis para compra online! Na minha cidade não tem o centro… Abs.

Bom dia!!! Iniciei a pratica de yoga uns 12 anos atras. Digo que yoga trata-se de um estilo de vida. Estou sempre buscando a luz, seja em livro, metodos, sempre temos algo a aprender, crescimento espiritual e longo e constante .
bjus, ju.

Adorei! Você entendeu exatamente o que eu preciso.
Eu vou procurar os livros e quem sabe a terapia.
Entender o que se passa com a gente é complicado!!!
Parabéns pela reportagem!

Cara! É surreal como esse blog fala minha lingua!
Sempre fui mto ansiosa, desde pequena, mtos remedios na vida adulta.. Na minha opiniao, trata-se de uma jornada. Comecei com psicanálise, depois participei de um processo intensivo de autoconhecimento chamado “Processo Hofman” onde vc volta para infancia e se resgata ( 7 dias sem contato c o mundo apenas nas dinâmicas propostas, excelente!)… Foi mto bom, dps passei a dar vazao ao chamado da espiritualidade, centros espiritas, dps Kabala (fiz ate o nivel 3 no kabala centre do Rio de Janeiro, eles sao mto especiais!) e cheguei na yoga agora… Hj me considero mais pertencente ao mundo… Mais conectada comigo e c a vida…Nao sei explicar… Ainda tenho limitacoes, fraquezas mas sou mto mais consciente delas, trabalho para ameniza-las. Sinceramente, dou graças a Deus pela depressao do passado, talvez se nao fosse por ela ainda estaria anestesiada! Excelente post Bia Perroti! Muito orgulho de vcs!!!! Com muito carinho!!!!

Adorei o texto Bia!!

Acredito que tenha este livro o Poder da Cabala. Se eu não achar, vou procurar em livrarias. Sempre soube dos benefícios da Meditação, mas não sou muito diciplinada, mas vou me esforçar, pois sofro muito com a minha ansiedade!! bjs te acho linda e muito chic!!

Eu adorei o que você escreveu. Muitas vezes me vi nas suas palavras… Da terapia ao yoga, passando pela forma de dizer as coisas com mais positividade, ao estilo “O segredo”… Acho que a procura da nossa luz é pra sempre… É como uma plantinha que regamos, e temos que cuidar diariamente, procurando o que nos faz bem, e não abrindo mão da gente. Como eu digo, uma horinha por dia, seja de análise, de corrida, de pilates, de yoga, de sessão beleza… Beijocas Gabi Pesente

Cara, que legal esse post! Me identifiquei demais, porque estou vivendo esse mesmo momento.. Uma busca incansável e maravilhosa pelo autoconhecimento, pelo enriquecimento de quem eu sou, estar perto das coisas que me fazem REALMENTE feliz. Porque as vezes a gente vive a vida sem prestar muita atenção nela e quando você vê, nem se reconhece mais. A espiritualidade está entrando na minha vida nesse contexto e me fazendo muito bem. Meu corpo, minha alma, e o mundo em si, estão passando por constantes processos, renovações, mudanças, e se não formos protagonistas ativos das nossas vidas, nos perdemos! Não faço a yoga, mas estou aprendendo a fazer minhas meditações. Muito bom! Também sou muito ansiosa e tudo isso tem tido efeitos incríveis na minha vida. Sou cristã e espiritualidade e o cristianismo se casaram muito bem na minha vida. E tem sido mágico. Tudo de melhor pra você Bia! Adoro seu blog! Beijos

oi gostei muito mesmo deste conteúdo nossa esta de parabéns continue assim agora queria dizer que :

1ª assim coma a natália e vocÊ estou em um momento diferenciado na minha vida principalmente profissional uma vez que estou feliz com o que faço mas por outro lado ainda sou pressionada por alguns medos mas isso será passado em breve
2ª também fui muito distraída principalmente com o que realmente importava mas tenho mudado minha visão principalmente as minhas leituras de vida e que me formaram como mulher
3ª yoga não faço mas muaythay e com o gato muito lindo eu faço isso acredite vale a pena dar uma suada kkkk que usada ops suada kkkk
atenciosamente
anela colar uma leitora assidua do seu site

Oi Bia! Você continua na Kabbalah? Comecei em fevereiro e já estou na metade do K3, foi realmente a melhor coisa que fiz por mim! Shabat Shalom!

Oi, Mare. Tudo bem? Eu fiz até o K3 e dei uma parada para colocar em prática tudo o que aprendi. É demais, né? Quero voltar em 2017. Obrigada pelo seu comentário. Apareça sempre! Bj bj

Comentários fechados.